Blog

7 erros comuns em um site

Erro # 1: nenhum apelo à ação

O objetivo de uma página deve ser óbvio para qualquer visitante. O que você deseja que um visitante que chega em sua página faça a seguir? Muitos de nossos clientes não são e-commerce, por isso pode parecer menos óbvio; no entanto, supondo que você quer que alguém permaneça no seu site, o que vem a seguir?

Mesmo se a resposta for "Eu quero que eles visitem minha loja", facilite para eles. Adicione um botão proeminente "Visite nossa loja". Se é uma página de blog simples, quais são os próximos artigos do blog que alguém deve ler com base no que eles acabaram de ler? Ou você tem um e-book relevante que gostaria de baixar? Você os conseguiu até o final do seu post - não perca o visitante porque eles não têm certeza do que fazer a seguir!

Erro # 2: falta de conteúdo para todas as etapas da jornada do cliente

É de extrema importância acompanhar onde, no funil de vendas, cada página é direcionada (conscientização, consideração, compra ou retenção). O que às vezes acontece é a quantidade desproporcional de conteúdo voltada para a compra, mas não o suficiente para conscientização, consideração e retenção. Isso nem sempre é o caso, especialmente se existir um blog ou um hub de recursos; no entanto, as etapas de consideração e retenção são frequentemente negligenciadas. Embora o ciclo do comprador seja diferente para cada produto, ainda é importante ter um conteúdo que aborde cada etapa, independentemente do quão breve seja o estágio.

A retenção também é um grande problema! É muito mais eficiente em termos de custo e mais fácil vender e fazer venda cruzada de clientes atuais do que trazer novos. Seus clientes também são menos sensíveis ao preço porque sabem que sua marca vale a pena. Você definitivamente deseja fornecer conteúdo para esse público também para mantê-los envolvidos com a marca e encontrar novos usos para seus produtos. Além disso, você já tem suas informações de contato, portanto, fornecer conteúdo para elas é muito mais fácil do que uma perspectiva.

Aqui estão alguns exemplos de conteúdo para cada estágio:

Conscientização: publicações de blogs (explicadores, instruções, etc.), e-books, webinars educacionais, infográficos

Consideração: comparações de produtos, estudos de caso, vídeos

Compra: páginas de produtos, ofertas experimentais, demonstrações, cupons

Retenção: postagens de blogs (aplicativos de produtos, histórias de sucesso, etc), boletins informativos, conteúdo de mídia social

Erro # 3: Má utilização dos depoimentos

Há tantas páginas dedicadas exclusivamente a depoimentos por aí na rede que chega a ser doloroso. Quem confia em uma página de depoimentos sobre comentários em sites de terceiros como o Yelp, o Google Meu Negócio ou o Tripadvisor? Ninguém. Dito isto, há um lugar para depoimentos mas não precisa ser necessariamente no link depoimentos.

A melhor maneira de usar um depoimento é emparelhá-lo com a cópia apropriada. Se for um depoimento sobre a facilidade e rapidez com que um cliente recebeu seu produto, use-o em uma página de envio. Se for um depoimento sobre como um produto resolveu um problema, use-o na página do produto. Isso aprimorará sua cópia e ajudará a aliviar qualquer ansiedade que um possível cliente tenha com sua decisão de comprar.

Os depoimentos também podem ajudar você a melhorar sua relevância local na pesquisa. Se você tiver uma vitrine que esteja segmentando cidades específicas, peça a cidade e o estado de um cliente ao coletar depoimentos. Em seguida, inclua os depoimentos relevantes junto com sua cidade e estado na (s) página (s) de localização apropriada (s). Mesmo que sua loja esteja em Blumenau, coletar depoimentos de clientes que moram em São Paulo e incluí-los em sua página de localização ajudará os mecanismos de pesquisa e os usuários a reconhecerem que as pessoas de São Paulo compram lá.

Erro 4: Não tornar o conteúdo localmente relevante (se for importante)

Se a localização for importante para sua empresa, você não deve usar apenas depoimentos para aumentar sua relevância local, mas seu conteúdo em geral. Pegue a indústria de concessionárias de automóveis, por exemplo. Existem mais de 16.000 concessionárias de automóveis no Brasil e todas (presumivelmente) possuem sites. Muitos deles têm conteúdo muito semelhante, porque todos eles estão tentando vender os mesmos modelos ou de carros semelhantes.

Os melhores sites de concessionárias de automóveis, no entanto, estão criando conteúdo que interessa às suas comunidades locais. As pessoas que moram em São Paulo, por exemplo, se preocupam com os carros mais econômicos devido ao trânsito da cidade, fazer com que sua equipe de vendas tome nota das perguntas comuns que são feitas e abordá-las em seu conteúdo pode ajudar bastante a melhorar a relevância local e conquistar clientes fiéis.

Erro # 5: Não falando sobre preços

Muitas empresas, empresas B2B, em particular, não querem listar os preços em seu site. É compreensível, especialmente quando a resposta honesta a “quanto custa o seu serviço?” É “depende”. O problema de se afastar completamente dos preços, no entanto, é que as pessoas estão procurando informações sobre preços. É uma grande oportunidade perdida de não ter nenhum conteúdo relacionado a preços, e isso incomoda os clientes em potencial que preferem saber o seu custo antes de ligar para você ou enviar um formulário para acompanhamento.

É mutuamente benéfico ter informações sobre preços (ou pelo menos informações sobre como você determina os preços) em seu site, pois isso ajudará a qualificar leads. Se um cliente em potencial conhece sua faixa de preço e ainda busca informações, ele será uma empresa muito melhor do que alguém que está buscando informações sobre preços. Isso economiza sua equipe de vendas o trabalho de desperdiçar seu tempo com leads ruins.

Ter informações sobre preços em seu site também ajuda a estabelecer confiança com o cliente em potencial. Se você não é transparente sobre seus preços, parece que você cobra o máximo possível. Quanto mais informações você fornecer, mais confiável será sua empresa. E se todos os seus concorrentes também estão escondendo seus preços, você é o primeiro a quem eles provavelmente vão procurar.

Erro # 6: Perdendo-se no jargão

Há muitas grandes empresas por aí fazendo um ótimo trabalho. E mais frequentemente do que não, seu site não reflete tão bem quanto poderia. Não é incomum que os encarregados por desenvolver seu site sejam bastante próximos do produto. O que às vezes acontece é o jargão e a linguagem técnica utilizada, e a razão pela qual um cliente deve se importar se perde. Quando se trata de explicar um produto ou serviço, Joel Klettke disse isso melhor na MozCon 2017. Um site deve ter:

  • Qual é o produto e por que um cliente em potencial deve se preocupar com isso?
  • Como este produto tornará a vida do cliente mais fácil/melhor?
  • Qual é o próximo passo? (CTA)

Também é importante incluir resultados de negócios, casos reais de uso e sucessos de clientes com o produto em seu site. Isso estabelece mais confiança e apoia suas reivindicações sobre seus produtos. Fazer isso vai falar com seus clientes de uma forma que o jargão simplesmente não vai.

Erro # 7: má ligação interna e arquitetura do site

Como o conteúdo é organizado em um site pode ser tão importante quanto o conteúdo. Sem uma organização adequada, os usuários podem ter dificuldades para navegar em um site com sucesso e os mecanismos de pesquisa têm dificuldade em determinar quais páginas são consideradas mais importantes. Certificar-se de que suas páginas mais importantes estejam estruturadas para serem fáceis de encontrar, listando-as em sua navegação, por exemplo, é uma boa experiência do usuário e ajudará essas páginas a ter um melhor desempenho.

Parte de tornar páginas importantes fáceis de encontrar é através de links internos. O conteúdo da Web é frequentemente criado de forma contínua, e ser esperto quanto a links internos requer tempo para olhar de forma holística no site e descobrir quais páginas fazem mais sentido para vincular. É comum encontrar conteúdo do blog que não vincula de volta a uma página principal no site. Embora você não queira que o produto seja o foco do seu blog, deve ser fácil para um usuário acessar as páginas principais do seu site, se quiser fazê-lo. Ao auditar um site, você encontrará páginas relacionadas umas com as outras que não são vinculadas. Faça anotações dessas pessoas para que você possa conectar melhor as páginas em cópia e com suas chamadas à ação.

 

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Newsletter

Atendimento

relacionamento@centerdesigner.com
09:00 às 12:00 - 13:30 às 17:00
(47) 3285-2257
(47) 9 8892-8717